Economia

São Caetano aumenta impostos
à medida que perde indústrias

  DANIEL LIMA - 12/01/2021

São Caetano é recordista no aumento do PIB Público no Grande ABC. PIB Público é dominantemente tóxico porque, de forma prevalecente, envolve o avanço das finanças públicas sobre a sociedade. O IPTU é um dos instrumentos utilizados por administradores públicos para compensar parte de receitas estaduais e federais perdidas. A desindustrialização de São Caetano é permanente.  Mais grave que no Grande ABC como um todo.  

A liderança do PIB Público de São Caetano contrasta com o raquitismo de São Caetano no PIB Industrial. Os dados retratam este século, entre 2000 e 2018. Não há nada no horizonte que indique mudança.  

Tampouco no Grande ABC como um todo, também impactado pela dissonância entre o aumento da carga tributária municipal e a queda vertiginosa da produção de riqueza da indústria de transformação.  

Não é de hoje que alertamos sobre o quadro particularmente sofrível de um Grande ABC agressivamente decadente. Novas comparações temporais e temáticas sempre aclaram a situação. Sobretudo para alguns triunfalistas que enxergam sociedade civil onde só existe sociedade servil.  

Temáticas e dados  

Em outubro de 2019 fiz breve tomografia do PIB Público numa análise em que comparei dispêndios dos municípios mais importantes do Estado (G-22).  O PIB da Administração Pública, o PIB Público, pode ser positivo ou negativo, numa análise simplificada, mas nem por isso afrontoso ao empirismo econômico – escrevi. E defini assim a situação: 

 PIB Público também é positivo quando está em equilíbrio com o PIB Geral – ou seja, os gastos têm sintonia fina com a geração de riqueza. 

 O PIB Público também quando é claramente inferior ao PIB Geral, porque riqueza se constrói com empregos e impostos do setor produtivo. 

 Quando o PIB Público é maior que o PIB Geral, quem perde o jogo é a livre-iniciativa – e a sociedade como um todo.  

São Caetano sempre atrás  

Naquela análise confrontei o PIB Público com o PIB Geral (que envolve todas as atividades econômicas, e não apenas o setor industrial, como agora o faço) e os resultados com base no desempenho econômico do Grande ABC entre 2002 e 2016 foram bastante preocupantes.  

No chamado G-22 de Competitividade (ou seja, uma disputa entre os 20 maiores municípios do Estado, exceto a Capital e com a inclusão de Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra para efeito regional), São Caetano classificou-se em último lugar. A mais bem colocada da região foi Ribeirão Pires, em 11º lugar, seguida de Mauá em 12º, Rio Grande da Serra em 15º, São Bernardo em 16º, Diadema em 18º, Santo André em 21º e São Caetano em 22º.  

Nas próximas edições que marcarão novos dados sobre o comportamento do PIB Industrial frente o PIB Público do Grande ABC, incorporaremos os demais municípios do G-22. E estabeleceremos um ranking que levará em conta o balanço geral. Nada mais interessante para saber até que ponto a desindustrialização do Grande ABC combinada com a fome por impostos municipais está sintonizada ou não com os melhores endereços produtivos do Estado. 

Abaixo da inflação  

De volta ao terreno proposto e para facilitar o entendimento, vamos discriminar o desempenho dos sete municípios do Grande ABC neste século tendo como base os setores industrial e da Administração Pública.  

O aconselhamento é que se tome um tranquilizante antes. Ou àqueles que têm poderes de decisão, que tomem vergonha na cara. O Grande ABC está desmoronando no que foi o sustentáculo histórico, o setor industrial, e avança desmedidamente no que é mais desaconselhável à atração de investimentos – o Custo ABC em forma de gulodice fiscal.  

O resumo da ópera econômica é que o PIB Industrial do Grande ABC não contempla um Município sequer que se aproxime, quanto mais superado, a inflação medida pelo IPCA do IBGE entre janeiro de 2000 e dezembro de 2018, de acumulados 321.09%. Pior que isso: a quase totalidade dos municípios locais ficaram distantes disso. Já não é o caso do PIB Público em alguns municípios acima da inflação do período e, em todos, desconfortável e comprometedor ao Desenvolvimento Econômico Sustentado, porque ocorre num período de degringolada industrial. Acompanhe o desempenho dos sete municípios da região neste século.  

Dados detalhados   

 Santo André contava com PIB Industrial de R$ 2.256,13 bilhões e PIB Público de 668,78 milhões em 1999. Em 2018 passou a contar com PIB Industrial de 6.168,51 bilhões e PIB Público de 2.626,05 bilhões. A participação relativa do PIB Público no PIP Industrial saltou de 29,64% para 42,57%. O PIB Industrial de Santo André cresceu nominalmente 176,36% no período, abaixo da inflação de 320,09%. O PIB Público cresceu 292,66%.  

 São Bernardo contava com PIB Industrial de R$ 5.519,13 bilhões em 1999 e PIB Público de R$ 838,43 milhões. Em 2018 o PIB Industrial passou para R$ 12.026,85 bilhões e o PIB Público para R$ 3.132,89 bilhões. A participação relativa do PIB Público no PIB Industrial saltou de 15,19% para 26,05%. A variação nominal do PIB Industrial foi de 117,91% no período de 19 anos, muito abaixo da inflação. O PIB Público avançou nominais 273,69%.  

 São Caetano contava com PIB Industrial de R$ 1.290,16 bilhão e PIB Público de R$ 178,18 milhões em 1999. Em 2018 o PIB Industrial passou para R$ 3.133,21 bilhões e o PIB Público para R$ 1.253,49. A participação relativa do PIB Público no PIB Industrial era de 13,81% em 1999 e passou para 40,00% em 2018. A variação nominal do PIB Industrial foi de 142,85%, enquanto o PIB Público cresceu 603,505.  

 Diadema contava com PIB Industrial de R$ 1.974,13 bilhão e PIB Público de R$ 390,62 milhões em 1999. Em 2018 o PIB Industrial registou R$ 4.023, 65 bilhões e o PIB Público R$ 1.613,71 bilhão. A participação relativa do PIB Público no PIB Industrial passou de 19,79% para 40,10%. A variação nominal do PIB Industrial foi de 103,82%, enquanto o PIB Público avançou 313,11%.  

 Mauá contava com PIB Industrial de R$ 1.287,22 bilhão e PIB Público de R$ 349,89 milhões em 1999. Em 2018 o PIB Industrial registrou R$ 4.989,66 bilhões e o PIB Público o total de R$ 1.477,46 bilhão. A participação relativa do PIB Público de Mauá no PIB Industrial passou de 27,18% para 29,61%. A variação nominal do PIB Industrial foi de 287,63%, enquanto o PIB Público cresceu 322,26%.  

 Ribeirão Pires contava com PIB Industrial de R$ 265,25 milhões e PIB Público de R$ 101,39 milhões em 1999. Em 2018 registrou PIB Industrial de R$ 624,80 milhões e PIB Público de R$ 444,58. A participação relativa do PIB Público no PIB Industrial passou de 38,22% para 71,15%. A variação nominal do PIB Industrial foi de 135,55% ante o PIB Público de 338,48%.  

 Rio Grande da Serra contava com PIB Industrial de R$ 59,76 milhões e PIB Público de R$ 33,48 milhões em 1999. Em 2018 o PIB Industrial passou para R$ 139,19 milhões e o PIB Público para 156,66 milhões. A participação relativa do PIB Público no PIB Industrial passou de 56,02% para o reverso, de participação relativa do PIB Industrial no PIB Público de 88,84%. A variação nominal do PIB Industrial foi de 132,91% ante 367,92% do PIB Público. 

Leia mais matérias desta seção: