Imprensa

Leituras de Carnaval para quem quer entender o Grande ABC

  DANIEL LIMA - 12/02/2010

São novos 52.918 caracteres, o equivalente a 14,3 páginas em formato revista, editadas sem estardalhaço gráfico. É isso que reservamos aos leitores deste site revolucionário na imprensa regional para compensar estes dias de Carnaval. São três matérias que resgatamos da revista LivreMercado dos tempos em que este jornalista comandava a área editorial. Foram 19 anos de zelo intenso. Escolhemos esses três trabalhos jornalísticos porque também marcaram a trajetória daquela publicação que afunda sob o comando empresarial de quem não entende nada de jornalismo.

É impossível compreender e interpretar a estrutura social, econômica, cultural e institucional do Grande ABC sem os textos que estamos inserindo em CapitalSocial desde o primeiro dia de setembro do ano passado. Provamos com esse novo minidescarregamento.

A primeira das três matérias leva a assinatura da jornalista Malu Marcoccia, profissional exageradamente discreta num ambiente regional e nacional de celebridades sem talento.

Malu Marcoccia realizou em maio de 1997 — portanto há 13 anos — uma entrevista com o então diretor de Recursos Humanos da Volkswagen do Brasil, Fernando Tadeu Perez. O conteúdo é premonitório. Tadeu Perez abriu a mala de ferramentas dos custos da unidade da VW em São Bernardo. Disse em detalhes o que não afirmara a nenhum jornalista anteriormente. Falou dos custos da atividade automotiva na região. Incluiu questões ligadas à produtividade, que muita gente, principalmente sindicalistas, não leva em conta nas reivindicações.

Acompanhem a entrevista com Fernando Tadeu Perez e constatem o quanto aquelas páginas foram oportunas para o entendimento do quadro socioeconômico no Grande ABC. Com esse texto, abrimos uma temporada que se intensificará este ano. Uma temporada de recuperação de dezenas de matérias produzidas ao longo de duas décadas envolvendo a indústria automotiva e o setor de autopeças no Grande ABC. Sempre com a marca registrada da análise, da interpretação.

A segunda matéria recuperada dos arquivos digitais pela ordem cronológica e que também estará acessível neste espaço foi uma entrevista que fiz pela Internet com o especialista em cadeias produtivas João Luiz Zuñeda, executivo da MaxiQuim, consultoria de Porto Alegre contratada em 1999 para aprofundar um estudo encomendado pelo Sebrae sobre a cadeia petroquímica da região.

O resumo daquele material jornalístico foi impresso nas primeiras linhas: o Grande ABC está perdendo a disputa pela competitividade no setor de plástico porque falta integração de interesses. Mais: o consultor disse que as conclusões do trabalho, apresentadas em abril de 2001, não tiveram ações efetivas. Exatamente porque prevalecem o municipalismo e a improvisação nas pastas de Desenvolvimento Econômico.

O pior dos mundos, entretanto, não estava congelado naquele texto. Quase 10 anos depois do estudo encomendado pelo Sebrae e quase sete anos após a matéria assinada por este jornalista, a situação do Grande ABC no setor de plástico segue a toada de negligência. Também vamos acrescentar a este site outras matérias do segmento de plástico.

Para completar o minipacote de jornalismo qualificado que inserimos neste CapitalSocial, vale a pena acompanhar o texto que este jornalista escreveu para a edição de janeiro de 2005, quando o ex-secretário de saúde José Auricchio Júnior assumiu a Prefeitura de São Caetano. Reparem os leitores os ângulos de abordagem, que, como em tantas outras reportagens-análise daquela revista, fugia completamente da mesmice de outras publicações.

Sem qualquer temor de ser mal-interpretado, ou mesmo de ser visto por um ou outro leitor sob olhares de desconfiança e de imodéstia, a publicação desses textos neste mundo digital — que também é material quando se recorre ao mecanismo de impressão — faz parte da obrigação inerente de quem tem experiência suficiente em jornalismo para não sonegar ou deixar encostados nos arquivos digitais e impressos trabalhos que ajudam a compreender o Grande ABC que vivemos.

  • Uma corrida contra o relógio na Volkswagen
  • Falta integração e custo atinge a competitividade
  • Auricchio está preparado para dirigir São Caetano dualística?

Leia mais matérias desta seção: