After falling in replica handbags love with Beatrice,gucci replica handbag Pierre immediately worked hard. In 2009, after dropping out of college, he took over a hermes replica handbags construction company founded handbag replica by his father and became a replica handbags major shareholder. Later he became the vice president of the Monaco Yacht Club. Personally, it has reached 50 million US dollars.
Imprensa

História do melhor jornalismo
regional do País. Leiam! (148)

  DANIEL LIMA - 19/12/2018

Em junho de 1998 publicamos duas matérias na revista LivreMercado que foram rebocadas ao acervo de CapitalSocial. A primeira trata de jornalismo. A segunda de economia. O leitor vai notar que nossa preocupação com a qualidade da informação vem de longe. E só aumentou os decibéis. E também sempre nos inquietamos com o chamado Custo ABC. Leiam os primeiros parágrafos de “Responsabilidade de informar”. Vale a pena. “Tomara que a moda pegue por aqui. Começa a circular este mês nos Estados Unidos a revista Content (Conteúdo), que pretende tratar a mídia com o mesmo desvelo dos cães perdigueiros. Segundo as informações, Content não vai dar trégua aos jornalistas, sobre as cabeças dos quais estarão sendo esgrimidos atributos como honestidade, integridade, justiça e precisão. A publicação não estará sendo distribuída restritamente ao corporativista mundo jornalístico, como é comum na área. Vai para a massa formadora de opinião, com tiragem inicial de 150 mil exemplares. Sustentada por pesquisa em que o público tem sério interesse em saber quem é quem no mercado da comunicação, Content promete esmiuçar a vida profissional de gente que trabalha com a commodities mais importante da atualidade: informação”. Agora, os primeiros trechos da segunda matéria selecionada na edição de junho de 1998 de LivreMercado, sob o título “Recap já tem água industrial”. Também vale e pena:  “A Recap (Refinaria de Capuava) já resolveu um problema que atormenta os custos das empresas do Grande ABC: instalou uma unidade de osmose reversa que lhe garante a utilização de água industrial em vez de potável nos processos industriais. Foram investidos R$ 2,5 milhões, valor que será recuperado em 18 meses. A Recap gastava média de R$ 170 mil por mês com a água potável enviada pela Sama (Saneamento Básico de Mauá), autarquia municipal. Para o superintendente da Recap, Valdison Moreira, a construção da unidade significa esperada independência no abastecimento de água industrial e, mais do que isso, o rebaixamento de custos de produção. A economia que a operação da unidade vai acumular ao final de 12 meses equivale a uma folha de pagamentos do quadro de 390 funcionários da empresa, que chega a R$ 2 milhões/mês”. 

05/06/1998 - Responsabilidade de informar

05/06/1998 - Recap já tem água industrial

Leia mais matérias desta seção: