Imprensa

Não me convidaram para
essa festa chique, vejam só

  DANIEL LIMA - 16/10/2015

Vou provar na semana que vem que seria um palestrante bastante produtivo aos interesses da região caso fosse convidado pelo Clube dos Especuladores Imobiliários a uma apresentação durante o evento chique que está programado para São Caetano. Longe de mim qualquer comparação, por exemplo, com o empresário Aparecido Viana, que fará uma das palestras. Aparecido Viana é experiente, conhece o mercado imobiliário, principalmente de São Caetano, como poucos.

 

Mas quem disse que o Clube dos Especuladores dirigido pelo empresário Milton Bigucci tem interesse em reforma completa nos usos e costumes do setor na região? Realidade que não é muito diferente do que se passa em outras geografias. Inclusive pela aversão a determinadas iniciativas que valorizariam a meritocracia e a livre-concorrência?

 

Garanto aos leitores que, fosse conferencista que tomasse não mais que meia hora dos convidados, não faria feio. É muito mais provável que abalasse as estruturas e levasse as lideranças autênticas do setor a se sensibilizarem por mudanças que tardam, porque o que temos aí falha demais.

 

A probabilidade de este jornalista, mesmo abalando as estruturas, ser reconhecido como alguém que tem a cabeça no lugar num ambiente estranho, porque mercado imobiliário não é minha praia prática, embora teórica, essa possibilidade é muitas vezes superior à eventualidade de Milton Bigucci discorrer sobre Imprensa. O máximo que Bigucci faria seriam agradecimentos aos lambe-lambes que lustram seu ego e, de forma oposta, lamentar que a Justiça não tire do ar todos os textos que o colocam muito aquém do que pretendia e imaginava cristalizar como imagem de liderança empresarial e dirigente corporativo.

 

Forçando a barra

 

Fosse arbitrário como Milton Bigucci, certamente este jornalista cometeria a insanidade de ingressar com algum instrumento legal para reivindicar suposto direito de me apresentar aos convidados do evento do Clube dos Especuladores Imobiliários e mostrar o quanto poderia ser útil se meus planos fossem levados adiante. Como não cometerei tamanha asneira -- a festa é para os convidados de Milton Bigucci e reconheço que sou um desconvidado compulsório – vou tomar a iniciativa de um dia antes do evento publicar aqui o que me levaria a – repito – abalar os andaimes do setor caso pudesse me comunicar verbalmente com os convidados.

 

Acreditem os leitores que, mesmo sem estar fisicamente naquela festa, vou infernizar a vida de quem se sentirá incomodado com o projeto que vou expor nestas páginas. Imprensa independente existe para isso – para não dar trégua a quem quer que seja. Regionalidade é nosso mantra, nosso dogma, nossa ilusão. 

Leia mais matérias desta seção: