After falling in replica handbags love with Beatrice,gucci replica handbag Pierre immediately worked hard. In 2009, after dropping out of college, he took over a hermes replica handbags construction company founded handbag replica by his father and became a replica handbags major shareholder. Later he became the vice president of the Monaco Yacht Club. Personally, it has reached 50 million US dollars.
Economia

Estado pode atrasar
Redução do Custo ABC

  DA REDAÇÃO - 05/11/1997

O Grande ABC quer mudar o cronograma do Rodoanel Metropolitano de São Paulo para que as obras comecem pela região, mas corre o risco de ficar em terceiro lugar. O superintendente de gestão da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A), Ulysses Carraro, revelou que agora há 50% de chances de o chamado trecho Sul -- que corta o sistema Anchieta/Imigrantes passando por São Bernardo e Diadema -- ser o segundo, quando antes essa possibilidade era praticamente certa, sucedendo o trecho Oeste, que deu o ponta pé inicial. O torpedo foi disparado por Carraro feita durante seminário promovido pelo Fórum da Cidadania justamente com vistas a antecipar a chegada da obra, que diminuirá em 20% o trânsito na Região Metropolitana e ajudará a reduzir o custo com transportes ao interligar 10 rodovias e cinco ferrovias, facilitar o acesso ao Porto de Santos e promover integração ao corredor do Mercosul. O traçado ainda não está totalmente delineado, dependendo de verba e relatório de impacto ambiental para definir o caminho das obras.

 

O Rodoanel será via expressa com cerca de 160 quilômetros de extensão, pista dupla e duas a cinco faixas de tráfego com velocidade de 100 km/h. A obra passará por 19 Municípios e será dividida em quatro trechos: Oeste (ligando as rodovias Régis Bittencourt, Raposo Tavares, Castelo Branco, Anhanguera e Bandeirantes, com saída em Perus); Sul (passando pelas rodovias Anchieta, atrás do final do pátio da Volkswagen, e Imigrantes, junto à balança da Dersa, próximo ao Batistini); Leste (entre rodovia Dutra e sistema Anchieta/Imigrantes, cruzando a rodovia Ayrton Senna); e Norte (unindo rodovia Dutra e Perus, com passagem pela Fernão Dias).

 

Ambiente preocupa

 

Além da tentativa de priorizar a região no cronograma do Rodoanel, lideranças do Fórum da Cidadania mostraram-se especialmente preocupadas com a questão ambiental, já que a obra passará por áreas de proteção como a Represa Billings. No entanto, o arquiteto responsável pelo traçado, Cleanto de Freitas, garantiu que a construção em regiões de mananciais, parques e florestas deverá prever conjunto de medidas específicas para sua proteção. “A rodovia dos Imigrantes é exemplo de convivência pacífica entre estrada e natureza” -- destacou.

 

Por isso, também está sendo realizado mapeamento dos arredores do Rodoanel, num raio entre 20 e 40 quilômetros, levando-se em conta não apenas a questão ambiental mas também o adensamento populacional e tendências de crescimento. De acordo com Ulysses Carraro, serão gastos em desapropriações cerca de US$ 500 milhões dos US$ 2,8 bilhões de investimentos previstos. Depois, essas áreas serão declaradas de utilidade pública para evitar invasões.

 

O controle do crescimento populacional é outro fator que interessa às lideranças envolvidas no projeto do Rodoanel. Segundo Ulysses Carraro, a idéia é buscar ajuda das Prefeituras para evitar o adensamento nas faixas em torno da via expressa, pois o único mecanismo legal capaz de evitar esse aumento é o decreto de utilidade pública.

 

Já o coordenador do grupo de trabalho de Planejamento Urbano do Fórum da Cidadania, Sílvio Tadeu Pina, acredita que esse gerenciamento deve ficar sob responsabilidade do Estado, a fim de evitar corrida habitacional para áreas que se tornem valorizadas após a construção do Rodoanel, o que inviabilizaria futuros projetos de expansão e de intermodalidade.

 

O Rodoanel será financiado pelos governos municipal, estadual e federal e pela iniciativa privada, que depois ganhará concessão para explorar pedágios. A conclusão levará de seis a oito anos, sendo que o primeiro trecho será o Oeste, com concorrência pública prevista para 98. Em 99, serão licitados os trechos Sul ou Norte, ou mesmo os dois, dependendo dos recursos alocados. A última etapa será a Leste.

 

Justamente pela participação das três esferas do Executivo, Ulysses Carraro não crê em paralisação do projeto após as eleições. “Sempre tivemos obras realizadas por um único ator; quando mudava o cenário, a peça parava. Hoje temos vários atores e a troca de um papel não descontinuará o espetáculo” -- garantiu. O presidente do Fórum da Cidadania, Marcos Antonio Gonçalves, assegurou que a entidade fiscalizará o andamento da obra e não permitirá sua interrupção.

Leia mais matérias desta seção: