IMPRIMIR


Imprensa

30ANOS: tomando o pulso
dos Destaques do Ano de 1999

DANIEL LIMA - 04/08/2020

Na edição de novembro de 1999, a revista LivreMercado publicou mais um resultado do que chamamos de Pesquisa LM, uma enquete idealizada para saber o que pensavam os formadores de opinião do Grande ABC naquele final de século. Desta vez, ouvimos os Destaques do Ano do Prêmio Desempenho, realizado pela Editora Livre Mercado durante 15 anos.  

Esta é a centésima-terceira edição de 30ANOS do melhor jornalismo regional do País, uma junção de LivreMercado e CapitalSocial.   

Um pé atrás nas

novas respostas  

 DANIEL LIMA - 05/11/1999 

Esperança comedida sobre o poder de reação da economia, desconfiança da capacidade de reorganização institucional e inquietação quanto ao agravamento da criminalidade. Este não é exatamente um cenário dos mais satisfatórios para o Grande ABC e deve causar horror aos ufanistas de plantão que não têm tomado outra atitude ao longo dos anos senão tentar dourar a pílula regional. Os resultados podem não ser agradáveis, mas têm uma lógica impressionante: confirmam a série histórica da Pesquisa LM, realizada de forma seletiva, mas ilustrativa junto aos leitores.   

Desta vez, quem respondeu ao questionário foram os representantes de quase todas as empresas e entidades que conquistaram o título de Destaques do Ano do Prêmio Desempenho.   

A Pesquisa LM foi realizada em agosto, portanto antes da festa de entrega do Prêmio Desempenho, em setembro, no Clube Atlético Aramaçan. A quase totalidade das 68 organizações premiadas respondeu às três alternativas propostas para os três temas abordados.   

O comedimento quanto aos desdobramentos econômicos, as ressalvas sobre os poderes institucionais do Fórum da Cidadania, da Câmara Regional e do Consórcio Intermunicipal de Prefeitos e a preocupação com o quadro de violência urbana estão realçados nos resultados do trabalho.   

A questão sobre a economia do Grande ABC foi respondida pelos representantes dos Destaques do Ano do Prêmio Desempenho sem a menor margem de dúvida sobre o tom de preocupações. Tanto que a alternativa A, que traça cenário positivo sobre a capacidade de o setor de comércio e serviços dar respostas contra o esvaziamento industrial, foi assinalada por apenas três dos 60 que responderam à questão. Houve equilíbrio entre as alternativas B e C que, na verdade, se complementam. A alternativa B coloca comércio e serviços com capacidade razoável de dar impulso à economia da região, enquanto a alternativa C expressa a força da indústria como grande fonte de desenvolvimento. Trinta e um representantes de organizações premiadas optaram pela alternativa B e 26 pela C.   

Já o quadro institucional que marca o presente do Grande ABC foi fortemente reconhecido na Pesquisa LM, mas os resultados também estão muito longe do que poderiam imaginar os mais entusiastas.   

A alternativa A, que coloca o Consórcio Intermunicipal, a Câmara Regional e o Fórum da Cidadania como agentes da recuperação regional, recebeu apenas um voto. A alternativa B, que reconhece a importância desses organismos mas relativiza sua capacidade de mudanças, as quais passariam por decisões nas esferas estadual e federal e também por maior integração entre os administradores públicos locais, obteve 42 votos, ou 72% do universo. Já o conjunto de respostas que têm olhar mais crítico sobre os avanços institucionais da região alcançou 15 votos, ou 26% do total. Seus representantes são críticos quanto aos efetivos resultados obtidos até agora. Consideram o Custo ABC problema quase insuperável.   

Completando a Pesquisa LM, o quadro de criminalidade regional só encontrou 10 pesquisados entre os Destaques do Ano do Prêmio Desempenho que não o vinculam diretamente aos problemas do Grande ABC, relacionando-os com a conjuntura nacional. Outros 41 representantes, ou 72% do universo pesquisado, revelaram postura diferente, incluindo componentes regionais como adicional do comprometimento da qualidade de vida. Para outros seis representantes dos Destaques do Ano, os problemas de criminalidade no Grande ABC são de responsabilidade exclusiva do Grande ABC.   

 Sobre a economia do Grande ABC:   

a) Estamos reagindo com o crescimento do setor de comércio e de serviços, que dará conta do recado do esvaziamento industrial e nos colocará, novamente, na dianteira da economia nacional. 5%   

b) Os setores de comércio e serviços estão dando razoável impulso à economia do Grande ABC e nos deixam esperançosos de que poderemos reduzir o impacto das perdas industriais. 51,6%   

c) A indústria é nossa grande fonte de desenvolvimento. Se não crescermos no setor, se não tivermos outras opções além do automotivo e sua imensa cadeia, cada vez mais disputados por outras regiões do País, vamos encontrar mais problemas socioeconômicos. 43,5%.

 Sobre questões institucionais:   

a) O Consórcio Intermunicipal, a Câmara Regional e o Fórum da Cidadania estão em plena atividade. Com essas instituições tão ativas, não temos dúvidas de que reencontraremos nosso passado de glórias para mudar o presente de preocupações. 1,7%   

b) É muito importante ter a Câmara Regional, o Fórum da Cidadania e o Consórcio Intermunicipal como agentes ativos e prospectivos no redesenho da realidade socioeconômica da região, mas precisamos de muito mais. Valorização política e institucional nas esferas estadual e federal, além de integração mais efetiva dos administradores públicos, por exemplo, são indispensáveis. 72%   

c) Câmara Regional, Consórcio Intermunicipal, Fórum da Cidadania. Tudo isso é importante, tudo isso é legal, mas é pouco para nossa realidade de problemas. Passamos muito tempo nos achando uma região imbatível. Hoje estamos cravados de problemas sociais e econômicos. A mobilização precisa ser mais intensa. O marketing regional precisa ser forte. E nem tudo isso está ao alcance daquelas três instituições. O Custo ABC é problema quase insuperável. 26%   

 Sobre os indicadores de criminalidade no Grande ABC:   

a) Esse não é um problema só nosso e não depende apenas de nós para ser resolvido. O Brasil é um País de profundos desníveis na distribuição de renda e qualquer trabalho que se faça sem procurar resolver essa questão será inútil para reduzir a criminalidade. 16%   

b) Temos de arregaçar as mangas e trabalhar coletivamente no sentido de mudar o quadro. É evidente que há componentes extra-região na criminalidade que atinge o País de forma indistinta, mas temos também causas exclusivamente nossas, como a explosiva exclusão social de grandes contingentes de ex-trabalhadores industriais que não tiveram salvaguardas públicas locais, estaduais e federais para sentir menos os golpes do desemprego. 67%   

c) Nossos problemas de criminalidade são exatamente isso -- nossos problemas. Descuidamos do inchaço da periferia, não cuidamos de dar alternativas ao desemprego industrial e os pequenos negócios do comércio e dos serviços foram massacrados pela chegada das grandes redes. Enfim, tudo foi feito para agravar a exclusão social, que é inerente da globalização. Não temos de procurar o diabo fora daqui. O diabo do improviso, da omissão e do despreparo está aqui. 10%  

 Os participantes   

Vejam quem respondeu à pesquisa: Adilio Inacio da Silva -- Goiás Car (c, b, b), Alessandro Bernardo -- Educandário Santo Antônio (b, c, b), Antonio Caetano Pinto -- Transportadora Grande ABC (c, b, b), Antonio Carlos Cattai -- Coop Corretora de Seguros (ND), Antonio Carlos Ferrite Sampaio -- Shopping ABC (ND), Antonio Carlos Gonzalez -- Laboratório ABC (b ,b, b),Antonio Carlos Ramos -- Instituto General Motors (b, b, b), Antonio José Monte -- Coop Cooperhodia (c, c, b), Antonio José Vital -- Cosnal (c, b, b), Avelino Adair Parro -- Hospital Itacolomy (b, c, b), Carlos Elias Perregil -- Chaplin Food & Beer (c, b, b), Carlos Luiz Vitiello -- ADC General Motors (c, b, a), Carlos Roberto Moretti -- Floricultura Fruta Flor (c, b, b), Carmem Gandra -- Colégio São José (a, b, b), Claudio Augusto Lopes -- Bezerra de Menezes (b, c, a), Dalila de Assiz Ramalho -- Ind. Met. Ramalho (c, b, a), Egidio Blumetti -- Colégio Singular (a, b, b), Emílio Jaldim Calderon -- Crami (b, b, b), Ernesto Albuquerque DAndrea -- Pizzaria Vero Verde (c, b, b), Fernando Jorge Ferreira -- Uniban (a, b, b), Francisco Enéas Lemos -- IPEI (b, b, b), Gevilson Camata -- Colégio Atual (ND), Guilherme Paulus -- CVC Turismo (b, b, c), Hélio Lima -- Unimed do ABC (b, b, b), Jalner Reis -- KMW Import (ND), João Ricardo Santa Rosa -- Senai Armando Arruda Pereira (c, b, b), José Batista Gusmão -- Bridgestone Firestone (ND), José Carlos Ribeiro -- JCH Projetos e Obras (b, b, b), José de Carlos do Nascimento -- Mercedes Benz (ND), José Osmar Cardoso -- Neomater -- (c, c, c), Karin Krause Witzke -- Witzke (b, b, NR), Laerte Soares de Almeida -- Sedesc (c, b, b), Luis Carlos Piva -- Nidonto (b, b, b), Luiz Américo da Silva -- Baby Beef Jardim (c, b, b), Luiz Gonzaga de Sá Pinto -- Senai Almirante Tamandaré (c, b, a), Marcelino Luz Alves -- Bauen (c, c, a), Márcia Coelho -- EMTU (ND), Marco Antonio Espósito -- Hospital Bartira (b, b, c), Maurício Langreney -- Hosp. e Mat. Christóvão da Gama (b, c, c), Maurício Mindrisz -- Semasa (b, b, b), Mauro Andrietta -- New Sun (b, c, b), Miguel José Ferrini -- Zenital (b, b, b), Miriam Belchior -- Prefeitura de Santo André (b, b, b), Murilo Alves Moreira -- Volkswagen (ND), Nelson Carlos Vilella Marques -- Se-Prevident (b, b, b), Nelson Roberto Mazzucatto --Primeiro de Maio Futebol Clube (c, c, a), Nívio Roque -- OPP Polietilenos (b, b, b), Peter Löffelhardt -- Reginati Tours (c, c, a), Renato Campagna -- Saned (b, b, a), Ricardo Fonseca -- Philips (ND), Roberta Garcia Duarte -- Piramidal (b, b, b),Roberto Caetano Di Fonzo -- Inylbra (b, c, a), Romualdo Magro Jr. -- Farma Fórmulas (b, b, b), Salete Regina Pessanha de Paula -- Saúde 4 (c, b, b), Sérgio Luiz Monteiro -- ADC Grupo Basf (ND), Valdinéia Cavalaro -- Centro Educacional Jean Piaget (b, c, b), Valdison Moreira -- Recap (b, b, b), Vicente de Paula dos Santos -- Legião da Boa Vontade (ND). 



IMPRIMIR